Colunista Ronival Gonçalves: O DRAMA DAS BALAS ENCONTRADAS NAS CRIANÇAS PERDIDAS

Colunista Ronival Gonçalves: O DRAMA DAS BALAS ENCONTRADAS NAS CRIANÇAS PERDIDAS

Franklin William da Silva Pereira, 16 anos; Acácio Valentim de Souza Menezes, 2 anos; Adriele Medeiros Nobre, 9 anos; Wesley Gilbert Rodrigues de Andrade, 11 anos; Rosângela Barbosa Alves, 14 anos; Alana Ezequiel, 13 anos; Rennan da Costa Ribeiro, 3 anos. O que essas pessoas têm em comum? Bem, em primeiro lugar, vemos que são crianças (algumas, já na adolescência). E, em segundo lugar, elas foram mortas da mesma forma covarde, cruel e, certamente, premeditada! Sim, leitor(a), premeditada! Premeditada por um sistema de extermínio social, o qual age de forma astuta, dissimulada! Mas que está inserido no contexto da redução populacional desejada por uma classe dominante e que já começou a ser posta em prática! Por isso, estamos presenciando o aumento crescente de pessoas sendo mortas em hospitais, nas prisões e, claro, nas ruas! Ou, então, brincando dentro de casa! Pois foi dessa forma que algumas dessas crianças, citadas, morreram: brincando dentro de casa! E todas elas, tiveram suas vidas cortadas, abruptamente, por um disparo fatal! Um tiro dado, segundo os noticiários, ao acaso; disparado quando das escaramuças entre bandidos e policiais! Uma “bala perdida” foi a responsável por ceifar a alegria dessas crianças e os sonhos de seus pais. Mas o que nos deixa estarrecidos é saber que os responsáveis (policiais e bandidos) por esses crimes monstruosos, disfarçados de fatalidade, não são punidos! Pelo contrário! Continuam livres e agindo! O número de vítimas de “balas perdidas” continua aumentando assustadoramente! Pessoas, na maioria crianças e adolescentes, estão sendo fatalmente atingidas “ao acaso”, nas ruas e dentro de suas casas! Isso é preocupante!

Querido(a) leitor(a)! Há um detalhe crucial, a ser considerado, nessa questão das “balas perdidas”. Se você for uma pessoa atenta, já deve ter percebido do que se trata! Estou me referindo ao fato de tantos tiros dados a esmo acertarem tantas pessoas de forma mortal!  Segundo um relatório feito sobre a “Situação dos Direitos Humanos no Brasil”, “muitos policiais ‘militares’” cometem, “no desempenho de suas funções, abusos que são notados inclusive quando, do exame das vítimas, se infere que FORAM MORTAS POR DISPAROS FATAIS EM PARTES VITAIS DO CORPO OU NAS COSTELAS, verificando-se claramente que as mesmas não tentavam resistir, estando, em muitos casos, desarmadas”.1 Onde a maioria das crianças, mortas por “balas perdidas”, é atingida? Na cabeça, no peito e nas costas! Ou seja, em “partes vitais do corpo”! Isso não parece coisa de bandidos atirando a esmo! São disparos feitos por profissionais treinados para matar! Nota-se, ainda, que, em muitos casos, tais crianças são mortas durante supostos confrontos entre policiais, traficantes e outros marginais. Mas o saldo, negativo, resulta sempre do lado dos inocentes (sejam crianças ou adultos). Tenho a impressão que tais escaramuças são sinistras “armações”, engendradas para a eliminação de “potenciais perigos” para a sociedade! Mas, uma criança, brincando no portão de sua casa, oferece algum perigo? Uma criança de 01 ano e 04 meses, brincando na sala de estar, é um perigo a ser eliminado? Uma criança, que estuda tranquilamente na sala de aula de um Ciep, é um perigo a ser eliminado? Reflita, sinceramente, leitor(a)!

Bem, os tiros mortais não são dados a esmo. São disparos feitos por pessoas especializadas. Atingem, sempre, as partes vitais do corpo. O grande número de mortes por tiros dados na rua é algo que deve nos deixar inquietos, preocupados. Alguns dos mortos estavam em circunstâncias tão estranhas (como estar deitado na cama), que dificilmente seriam atingidos, fosse o tiro fatal dado ao acaso! Crianças são mortas nas ruas, nas escolas, em casa (na cama, no berço, etc…). Repito: Fossem os tiros dados ao acaso, e o número de mortes não seria tão alto. São tiros dados por profissionais. Quem são eles? Os bandidos? Os policiais? Ambos? Atiradores de elite, ocultos nas vielas das ruas e no alto dos prédios? Estariam cumprindo algum desígnio sinistro, diabólico? Seria o tráfico de órgãos? Sacrifícios humanos? Tenho razões de sobra para crer que há alguma coisa tremendamente pavorosa em tudo isso. Não é apenas marginal atirando contra policial e vice-versa. Bandidos não são capazes de disparar de forma tão certeira, durante um tiroteio! E policiais especializados, treinados para combate, não saem atirando a esmo! E de forma tão certeira! E, se policiais e bandidos estão se enfrentando nas ruas, por que atirar para dentro das casas? Por que os bandidos atirariam para dentro de suas próprias residências, arriscando a vida dos seus familiares? E no caso da menina de Ibirama, Santa Catarina? Não havia guerra entre polícia e marginais. Apenas uns “policiais” se “divertindo”, no meio da noite! Resolveram dar uns tiros para cima, em sua alegria. E mataram a menina, inocente, dentro da sua casa! Como pode ser isso? Atiraram para cima, ou para dentro da casa? Inconsequência? Ou premeditação? Uma fatalidade? Ou algum plano diabolicamente elaborado?

Caro(a) leitor(a)! Temos motivos de sobra, para ficarmos apreensivos! Forças sinistras estão se movendo, no sentido de causar sofrimento e morte. E procurarão os mais diversos meios para alcançarem seus objetivos; entre eles, a redução da população mundial. Por isso, entre outros meios de extermínio em massa (guerras, genocídios, catástrofes artificiais, etc.), continuará a eliminação lenta e gradual de seres humanos, nos hospitais, nas prisões e nas ruas. Por isso, as “balas perdidas” continuarão fazendo suas vítimas, de forma crescente. Vítimas como o menino Joel Conceição, que fez propaganda da Bahia na televisão, morto (para variar) em um tiroteio entre policiais e bandidos. O que chama a atenção, é que o policial atirou em sua direção, acertando-o na cabeça (mais uma vez?), como se o tiro fosse intencional!2 Não sabemos qual será a próxima criança que irá sucumbir, diante de um atirador vestido de policial ou bandido. Mas podemos ter certeza de duas coisas: Primeiro, as balas que estão tirando a vida de tantas pessoas não vêm de tiros dados ao acaso! São provindas de disparos certeiros, feitos com a intenção de matar! Cumprindo algum propósito sinistro! E, segundo, essas balas, de forma alguma, são “balas perdidas”! É uma ironia falar dessa forma! Soa falso, covarde e inverossímil! Na verdade, são “balas encontradas”! Encontradas no peito, nas costas e na cabeça das vítimas, a maioria, como tenho dito, crianças! Estas, sim, são perdidas! Perdidas para sempre, com sua alegria, com sua juventude e com seus sonhos! Perdidas ainda na primavera da vida!

É preciso acordar para esta realidade que estamos vivendo! Precisamos proteger nossas crianças, principalmente! Elas estão sendo alvo de um plano elaborado para marginalizá-las e, então, eliminá-las como se fossem animais nocivos para a sociedade. Em minhas palestras “A Matança dos Inocentes” e “Crescer, Na Sociedade Atual: Mais Que Uma Deliciosa Aventura, Um Contrato de Riscos!”, discorro sobre esses objetivos e como eles estão sendo levados avante, no mundo atual. O fato é que precisamos nos dar conta de que nosso mundo está mudando! Mudando para pior! E nossas crianças e jovens são os principais afetados! Não podemos, simplesmente, cruzar os braços e deixar as coisas como estão! Não é apenas que corremos o risco de ficarmos sem uma juventude capaz de continuar nossos sonhos! É que também corremos o risco de não haver quem nos ampare, em nossa velhice! Pense nisso!

 

BIBLIOGRAFIA

1Disponível em http://www.portalms.com.br/noticias/detalhe.asp?cod=36563 Acesso em 26/05/11.

2Disponível em http://www.bahiadiario.com/noticias/maisnoticias/criança+de+10+anos+que+fez+ propaganda+para+o+governo+da+bahia+e+assass/000015,6443,índex.html Acesso em 25/05/11.

 

Fonte: Ronival Gonçalves

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*