O Doce e Fatal Engano do Diabetes Colunista: Ronival

O Doce e Fatal Engano do Diabetes Colunista: Ronival

Imagine, leitor(a), que você está assistindo, em sua televisão, o desfecho de um assalto à mão armada. Sim, antes isso apenas era possível em filmes policiais, mas, hoje, é algo banal, nos noticiários televisivos. Enquanto uma câmera mostra o bandido segurando a vítima, apontando uma arma para a sua cabeça, uma outra mostra um atirador de elite se preparando para atirar no bandido. Depois de alguns minutos de suspense, ouve-se o disparo… E você observa o refém cair, mortalmente ferido, no chão! Bizarro? Talvez! Mas é exatamente assim que a Medicina está agindo, em relação aos seus pacientes! A observação a fazer é que, no caso do assalto, a morte da vítima pode resultar de um erro por parte do atirador de elite. Já no caso da Medicina, se trata de uma premeditada intenção de praticar eugenia e, ao mesmo tempo, lucrar com cirurgias e com a venda dos medicamentos, receitados a torto e a direito para os doentes. Isso é verdade, com relação à depressão, ao câncer e, também, ao diabetes. Neste artigo, quero tratar especificamente do engano referente ao diabetes. Por muitos anos, tem-se acreditado ser, o excesso de açúcar, a principal causa do diabetes.

 

No entanto, estudos feitos por diversos profissionais da área médica e científica, apontam para isso como um doce, porém fatal, engano. É um doce engano porque, afinal, mesmo sendo considerado o responsável direto pela incidência do diabetes, os portadores da doença não são obrigados a abandonarem o uso total do açúcar, o que acaba agradando ao seu paladar pervertido e aliviando a consciência dos que persistem no consumo do mesmo. Tratase de um fatal engano porque, ignorantes da verdade sobre o diabetes, os pacientes, além de persistirem no uso “moderado” do açúcar, ingerem grandes quantidades dos alimentos que são os reais promotores da enfermidade. O que promove um tremendo aumento de incapacidade física e mortalidade pelo diabetes. O número de mortes por diabetes, no mundo, aumentou em quase 62%, nos últimos dez anos; no Brasil, entre 2010 e 2016, houve um aumento de cerca de 12%.1

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), “O mundo tem cerca de 387 milhões de diabéticos (13 milhões no Brasil) e as estimativas não são boas. De acordo com o Atlas do Diabetes, esse número tende a aumentar mais de 150% até 2035. Os especialistas consideram que o Diabetes tipo 2 será a próxima epidemia global, pelo número de novos casos e a dificuldade no controle da doença em uma parcela dos pacientes”. 2 Levando em consideração as consequências do diabetes (problemas cardiovasculares, renais e amputação de membros), é preciso que se tenha consciência da verdadeira causa dessa doença. Como pude observar nas fontes que consultei, para obter os dados acima, por razões óbvias, essa causa não é dada a conhecer, mantendo os pacientes enganados. E, assim, reféns de tratamentos caros, dolorosos e ineficazes. Mas, se o açúcar não é o responsável, de fato, pelo diabetes, o que seria, leitor(a)? É o que veremos agora.

 

Há muitos anos, estudos vêm mostrando que a gordura produzida pelo alto consumo de alimentos cárneos é a grande responsável pelo avanço inexorável do diabetes. Questionado sobre o açúcar e o diabetes, o Dr. Neal Barnard, Doutor em Medicina, pesquisador clínico, autor e presidente-fundador do Physicians Committee for Responsible Medicine (Comitê de Médicos para Medicina Responsável), foi taxativo: “Ah, isso me deixa louco!

Diabetes não é e nunca foi causado pelo consumo de uma dieta rica em carboidratos, e não é causada pelo consumo de açúcar. A causa do diabetes é uma dieta que aumenta a quantidade de gordura no sangue. Eu estou falando de uma dieta típica baseada em carne, em animal. Você pode olhar nas células musculares do corpo humano, e vai ver que estão desenvolvendo minúsculas partículas de gordura, que causam resistência à insulina. Quer dizer que o açúcar natural, das comidas que você ingere, não entra nas células, onde é o lugar dele. Ele acumula no sangue, e temos o diabetes.”3

 

O Dr. Garth Davis, Doutor em Medicina, um renomado cirurgião bariátrico, fundador da The Davis Clinic, também foi muito elucidativo:

“Todo mundo acha que fica diabético por causa dos carboidratos. Fizeram um estudo grande. Nesse estudo épico, com 500 mil pessoas, o consumo de carboidratos era inversamente proporcional ao diabetes. Em outras palavras, quanto mais carboidratos se comia, menos diabetes se tinha. Mas a carne tinha uma forte correlação. É o momento da surpresa! Os amidos, os carboidratos são bons para você. Não são ruins! Essa ideia de que os carboidratos te deixam gordo é totalmente ridícula! Os carboidratos não podem engordar você, por eles mesmos! Temos um depósito, em nossos músculos e em nossos fígados, para carboidratos, chamado glicogênio. Quando comemos carboidratos, ou a gente armazena, ou queima. Agora, coma gordura, e ela vai direto para a sua gordura. Seu corpo não pode transformar carboidratos em gordura, a não ser que você esteja exagerando nas calorias. E a obesidade é uma sentença de morte. Você tem mais risco de ter câncer. Você quase certamente vai ter diabetes. Ninguém quer criticar os gordos, e todos queremos que se sintam confortáveis com seus corpos. Mas esse movimento de estar confortável no seu corpo, nos deixou confortáveis com a doença. É um problema! Eu entro no hospital e vejo pessoas na diálise, pessoas doentes. E essas doenças são causadas pelo que estão comendo.”4

Por que, segundo o Dr. Davis, havia uma relação inversamente proporcional entre o consumo de carboidratos e a incidência do diabetes? Ou seja, quanto mais se consumia carboidratos, menos se sofria de diabetes? Simples! Os carboidratos são oriundos dos vegetais, os quais foram determinados como parte da dieta original do homem, na Criação. Portanto, jamais poderiam, por si mesmos, causar qualquer dano à saúde do homem, a não ser pelo seu consumo exagerado, o qual aumentaria a quantidade de calorias; obrigando o organismo a transformar tais calorias em gordura. Em segundo lugar, um consumo maior de carboidratos, importa uma ingestão menor de carnes; diminuindo, assim, a quantidade de gordura no sangue. No entanto, existe um diagnóstico enganoso, por parte da Medicina, alimentada financeiramente, em grande parte, pelos lucros advindos da produção de carnes e laticínios. Esse diagnóstico, como bem coloca o Dr. Davis, produz o que chamei de o doce engano do diabetes: a troca da gordura pelo açúcar, como o vilão da enfermidade.

“Não é que o açúcar seja bom para você. Ele não tem nutrientes, é excesso de calorias. Mas quando você come açúcar, não tem inflamação a princípio. Quando você come açúcar, não começa a formar placas nos seus vasos. Quando você está comendo açúcar, seu corpo vai armazenar a maior parte como glicogênio, ou queimar como calorias. Então, ESSE FOCO NO AÇÚCAR TIROU TODO O FOCO DAS CARNES, LATICÍNIOS, OVOS, PORCO, PERU, FRANGO.”5

Sim. Os alimentos cárneos e os laticínios são os grandes causadores do diabetes, tanto o do tipo I quanto o do tipo II. Eles fazem isso de duas maneiras: Em primeiro lugar, o alto consumo de alimentos cárneos produz uma grande quantidade de gorduras. Essas gorduras vão se acumulando nas paredes das artérias, formando placas. Essas placas, por sua vez, impedem que a insulina, hormona responsável por introduzir o açúcar nas células, realize o seu trabalho. O açúcar vai, então, se acumulando na corrente sanguínea, dando origem ao diabetes. Em segundo lugar, de acordo com o Doutor em Medicina, John McDougall, os laticínios, obviamente, são feitos de leite. E a proteína do leite de vaca é altamente nociva ao organismo, que cria anticorpos para destruí-la. Depois de terem atacado a proteína, esses anticorpos acabam se voltando contra o pâncreas, inutilizando-o. Entre outras coisas, o pâncreas se torne incapaz de produzir insulina suficiente para transportar o açúcar para as células; sobrecarregando o sangue. 6 Isso resulta, principalmente, no diabetes tipo I, que afeta, sobretudo, crianças e adolescentes. E de acordo com o Dr. Michael Greger, Doutor em Medicina e autor de vários best-sellers sobre saúde, o diabetes diminui em 19 anos a expectativa de vida de uma criança.7 Isso deve nos levar a considerar essa questão com toda seriedade.

Creio que esse conhecimento deve levar muitos a cuidarem da sua dieta alimentar, no intuito de evitarem uma doença que está em vias de se tornar uma grande epidemia mundial. Não é o caso de ingerirmos açúcar em excesso, agora, que sabemos que ele, por si só, não causa diabetes. O excesso de calorias também é prejudicial, pois o organismo transforma calorias excedentes em gordura. Portanto, açúcar em excesso pode ser convertido em gordura. Que, por sua vez, vai se acumular nas paredes dos vasos e artérias, ajudando os alimentos cárneos e os laticínios, em, sua obra destrutiva. Mas devemos evitar, sobretudo, os alimentos animais (ou, então, reduzir a sua ingestão), ingerindo mais alimentos vegetais. Quanto àqueles que são diabéticos, devem analisar que tipo de procedimento devem desenvolver, para recuperarem a saúde e voltarem a usufruir de qualidade de vida. Está mais do que comprovado que um regime vegetariano, rico em nutrientes vivos, acompanhado de exercícios físicos, repouso, boa respiração, água em abundância, além dos remédios naturais, é capaz de desfazer um grave quadro clínico de diabetes, inclusive os danos referentes à visão. O que é preciso é que cada um se conscientize que não é dono, de fato, do seu corpo, e que tem a obrigação, diante de Deus, de mantê-lo na mais perfeita condição possível. “Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma” (3Jo 2). Não é plano do Senhor que atravessemos nossa existência doentes. E, se fizermos a nossa parte, Ele é infinitamente poderoso para fazer a dele. Pense nisso!

FONTE: 1Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/mortes-por-diabetes-cresceram-12-nobrasil-em-seis-anos-diz-ministerio-da-saude.ghtml 2 Disponível em: https://www

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*